quarta-feira, 11 de setembro de 2013

Minha cidade natal

Quando eu era adolescente, fiz certa vez um poema-piada com a cidade onde nasci, chamada Socorro: "Só corro / da minha cidade natal".
A piada serviu mais para provocar meu pai que, como eu, tinha nascido ali. Mas, ao contrário dele, eu praticamente não morei lá, já que meus pais se mudaram da cidade quando eu ainda era bebê.
Quando meu pai se aposentou, minha mãe e ele foram moram lá, de novo. Minha mãe, hoje viúva, continua na mesma casa onde meu pai nasceu, uma daquelas casas antigas, com as janelas dos quartos praticamente na calçada.
Quando vou visitar minha mãe, acho que fica mais claro porque criei esta Psiulândia: acho que não há lugar mais barulhento na face da terra do que Socorro.
Mas devo confessar que Socorro se supera a cada visita. Para provar, conto algumas ocorrências deste último fim de semana.
Cheguei lá na hora do almoço, no sábado. Logo no início da tarde, minha mãe e eu fomos surpreendidas com a passagem de um gigantesco trio elétrico na frente de casa. O som fazia tremer as paredes. Em casa, ninguém conseguia se fazer ouvir. Naquela rua estreita, parecia que o caminhão passava dentro de casa. O som era música gospel.
Atrás dele, vinham as pessoas:


Sim, era a Sétima Marcha para Jesus! Depois que o trio e as pessoas passaram, as coisas se acalmaram um pouco. Só continuaram os inevitáveis carros com som alto que passam regularmente pela rua.
Aliás, mais tarde fui dar uma volta a pé pela cidade e observei: acho que passaram uns 5 carros enfileirados com som alto, daqueles alto-falantes com subwoofer poderoso. Parece que fazer barulho com o carro é um esporte municipal.
No final do dia, uma amiga da minha mãe passou por lá e comentou: hoje tem música na praça, estão montando um palco. Detalhe: a casa da minha mãe fica a menos de cem metros de distância da praça da matriz.
Dito e feito: às 9 da noite começou o show, em volume audível na casa toda. Só acabou quando já era quase uma da manhã. Dormir pra quê, né?
Ah, mas o pior ainda estava por vir! Como eu disse, Socorro se supera a cada visita! No domingo, eu descobri que agora a nova moda por lá, em lugar de propaganda sonora em carros, é a propaganda sonora feita por aviões! Sim, acreditem: um teco-teco fica sobrevoando a cidade com um alto-falante anunciando as ofertas das lojas! É inacreditável! O barulho vem de todos os lados, até do alto! Será que é por isso que a cidade se chama Socorro???
Só pra concluir, ainda pra provar como essa minha cidade sempre me surpreende, descobri que há uma nova marca local de cerveja. O nome? Vejam com seus próprios olhos, porque eu tenho pudor de escrever:



É ou não é pra me ufanar da terra em que nasci?

3 comentários:

  1. hahahahahahahahaha ironia a cada frase, a cada pensamento.Amei este texto!

    ResponderExcluir
  2. Hahahahahahaaaaa! Ri muito :-) Só tenho uma coisa a dizer: SOCORRO!!!

    ResponderExcluir
  3. A outra sempre é a melhor Ana Maria rs

    ResponderExcluir

Observação: somente um membro deste blog pode postar um comentário.