quarta-feira, 21 de outubro de 2009

Après moi le déluge

A frase que dá título a este post é atribuída ao rei Luís XV, que viveu na França entre 1710 e 1774. Pouco depois da sua morte, ocorreu a Revolução Francesa. A tradução da frase seria "Depois de mim, o dilúvio". Há quem diga que ela pode ter dois sentidos:

1. Depois de mim, o país vai virar um caos.
2. Depois que eu me for, o mundo pode virar um caos porque não me interessa.

Eu sempre entendi a frase mais no segundo sentido, e me lembro dela sempre que vejo certas barbaridades que acontecem pelo mundo...
Tenho a impressão de que a imensa maioria das pessoas não se importa nadinha com o que vai acontecer, desde que a sua parte esteja garantida. É uma espécie de auto-centramento doentio, que me irrita profundamente.
Ando tão cansada da falta de educação de grande parte da humanidade que às vezes tenho a impressão de que essa frase do Luís XV poderia ser uma boa descrição dos nossos tempos.
Acho que nos próximos posts vou me dedicar a dar exemplos de situações que poderiam ter o "Après moi le déluge" como legenda! Aguardem!

domingo, 11 de outubro de 2009

Psiulândia forçada...

Que horror, quase um mês sem postagens! Então, antes que a folhinha mude para o dia 12, vamos lá!
Hoje faço um post rapidinho pra comentar mais uma triste experiência com celulares. E desta vez, com o meu celular!
Antes, porém, algumas informações. Pra quem não sabe, moro no interior mas passo muito tempo em São Paulo. Tenho já há algum tempo uma linha pós-paga da Tim, depois de ter enjoado de dar dinheiro para a Vivo sem estar satisfeita com os serviços prestados.
Como vou ficar um tempo em São Paulo neste final de ano, resolvi comprar um chip de celular paulistano, pra não ficar gastando muito interurbano.
Fui a uma loja da Tim, paguei 10 reais pelo chip pré-pago e saí da loja já com o dito cujo em funcionamento. Até comentei como os tempos tinham mudado: meu primeiro celular (Telesp, que depois virou Vivo) levou umas 6 horas pra começar a funcionar. Quanta diferença! Tudo muito mais fácil, né?
Pois bem... Papo vai, papo vem, comecei a achar que talvez fosse o caso de experimentar um chip da Oi, que joga na nossa cara o tempo inteiro todas as vantagens que teríamos com ela.
Lá fui eu à loja da Oi pra comprar o chip pré-pago, que me custou 20 reais.... Já estranhei, porque esse valor é o dobro do que paguei na Tim. Enfim, quem sabe o serviço seria melhor e justificaria o preço?
Quando quis carregar o chip com créditos, a atendente me disse que primeiro eu teria de fazer uma primeira ligação e cadastrar o chip no sistema, digitando meu cpf. Assim fiz, ao meio-dia de ontem. Recebi então um aviso de que meu chip começaria a funcionar num prazo máximo de 24 horas! Inacreditável! Mais tempo do que levou o meu celular a lenha da Telesp!
Já achei um absurdo, mas acreditem: são 23h30 do dia seguinte (quase 36 horas, portanto) e o dito cujo continua sem funcionar! Já liguei pra Oi e recebi a informação de que eles estão com um excesso de solicitações e que, portanto, o prazo de 24 horas seria estendido. Até quando, ninguém sabe.
E assim aqui estou eu, de celular mudo, esperando que a Oi se digne a me permitir falar oi para algumas pessoas!
Ainda bem que eu tenho meu chip Tim funcionando direitinho, assim não estou completamente isolada na Psiulândia forçada da Oi!
OBS: Hoje, dia 13 de outubro, às 8 da manhã, finalmente consegui fazer uma ligação com o tal chip. Foram 68 horas de espera, com vários telefonemas para o atendimento da Oi, até conseguir a proeza! Acho que vale um e-mail pra ANATEL, né?